Com o tema “O popular e as bordas: do passado ao presente” e homenagem a Jerusa Pires Ferreira, a 3ª. FliPUC acontece de 4 a 6 de novembro. Durante os três dias, os estudantes da universidade e a população apaixonada por livros poderão desfrutar no Campus Monte Alegre de instigantes mesas de debates e de uma ótima seleção de livros a preços convidativos, com descontos que chegam a 30%. Os debates têm entrada franca.

 

Jerusa Pires Ferreira é a homenageada da festa literária

Jerusa Pires Ferreira é a homenageada da festa literária

Com o tema “O popular e as bordas: do passado ao presente”, a Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP) realiza a 3ª. FliPUC. A Festa Literária acontece nos dias 4, 5 e 6 de novembro, no campus Monte Alegre. no Tucarena, teatro da Universidade, à rua Monte Alegre, 1.024, em Perdizes. Em sua terceira edição, a FliPUC homenageará a professora Jerusa Pires Ferreira, falecida em abril de 2019. Grande mestre da PUC-SP, Jerusa era pesquisadora sobre cultura, oralidade, memória e relações entre literatura, comunicação e artes. Ensaísta, também era tradutora e principal divulgadora dos trabalhos de Paul Zumthor e de Henri Meschonnic, no Brasil.

Acontecerão mesas de debate, oficinas temáticas, exposição e vendas de livros (que chegam a 30% desconto), lançamentos de obras e sessões de autógrafos com autores. No encerramento, um sarau de poesias, seguido por uma apresentação de concerto de piano com o norte-americano Javier Clavere. Durante toda a FliPUC haverá a Videoinstalação “Jerusa: a Senhora Barroca”, com direção de Elisabete Alfred.

As mesas de debate ocorrem no Tucarena, enquanto a Feira de Livros estará montada no saguão em frente ao auditório.

A curadoria do evento é dos professores José Luiz Goldfarb e Lucia Santaella. A comissão organizadora é formada por Adriano Sousa, Amálio Pinheiro, Bernadette Lira, Elisabete Alfeld, Heloísa Valente, Lucio Agra, Marcelo Graglia, Micheliny Verunsck, Monica Rebecca Ferrari Nunes, Roberta Estrela D’Alva e Sonia Montone

 José Luiz Goldfarb, curador da FliPUC e editor da Educ.

José Luiz Goldfarb, curador da FliPUC e editor da Educ.

Lucia Santaella, curadora da FliPUC

“A FliPUC, desde sua primeira edição em 2017 procura celebrar a literatura em todas as suas manifestações e não apenas nas reflexões acadêmicas da universidade. Nesta edição, mantivemos esta diretriz, com ainda maior profundidade, pois a partida da querida professora Jerusa Pires Pereira, agora homenageada, levou-nos a destacar e discutir a literatura e a cultura das bordas, levando para o palco do Tucarena a pluralidade de inúmeras manifestações culturais de nosso país. Serão três dias de debates com mesas provocativas, algumas focadas na obra e atuação de Jerusa, outras adentrando em aspectos diversos como a ficção e o despertar do Antropoceno. Vamos ao debate, à arte e à cultura. Afinal, não é o que mais precisamos neste momento do Brasil e do mundo?”, indaga Goldfarb.

A Festa Literária, que busca promover o debate em todas as áreas do conhecimento, incentivar a leitura e divulgar sua produção, é uma realização conjunta da Educ – a editora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e da PUC-SP. Todos os debates, assim como o concerto de encerramento, têm entrada franca. Veja aqui a programação completa:  http://www.pucsp.br/flipuc

 

 3a FliPUC – Festa Literária da PUC-SPlogo_FliPUC_festa_literaria

Tema: O popular e as bordas: do passado ao presente

Homenageada: Jerusa Pires Ferreira

Quando: De 4 a 6 de novembro

Onde*: Campus Monte Alegre da PUC-SP, à rua Monte Alegre, 984, no bairro de Perdizes. (Debates e concerto de Encerramento no Tucarena e Feira de Livros no saguão em frente ao auditório do Tucarena.)

Entrada para os debates e concerto de encerramento: franca.

Link com programação completa: http://www.pucsp.br/flipuc

Curadoria: José Luiz Goldfarb e Lucia Santaella.

Realização: PUC-SP e Educ – Editora da PUC-SP.

Telefone para informações sobre o evento: 11-3670-8085

Contatos para imprensa: Gontof Comunicação, telefones 11-4508-4554 e 99109-0688 e e-mail redacao@gontof.com.br;

Tucarena: lugares: 210 (configuração para os debates); acesso para portadores de deficiência: sim. Lugares para portadores de deficiência: sim. Banheiros adaptados para portadores de deficiência: sim.

(*O Tucarena fica à rua Monte Alegre 1.024).

 

Livros terão desconto de até 30%.

Livros terão desconto de até 30%.

Programação

 

Dia 4 de novembro, segunda-feira – Abertura da 3ª. FliPUC

 

10h – Abertura da 3ª. FliPUC: Jerusa e a América Latina

Debatedores: Amálio Pinheiro, Diana Junkes, Ademir Assunção e Lucio Agra

Mediação: Lucia Santaella

 

12h – Sessão de autógrafos

  • Inteligência e Artificial & Redes Sociais (Educ, 2019)

Lucia Santaella (org.)

  • Jornada internacional América Latina (Intermeios, 2017)

Amálio Pinheiro (org, junto com Jerusa Pires Ferreira)

 

14h – Jerusa: dos pactos diabólicos ao tecido fáustico

Debatedores: Valdir Baptista e Marcio Seligmann-Silva

Mediação: Adriano Sousa

Márcio Seligmann Silva

Lidia Zuin

Lidia Zuin

 

Márcio Seligmann Silva

 

16h – Vou cantar até que a voz me doa

Com Heloísa Valente e Wladimir Mattos

 

19h – Ficção Científica

Debatedores: Lidia Zuin, Fábio Fernandes e Nelson de Oliveira

Mediação: Marcelo Graglia

 

Dia 5 de novembro, terça-feira

 

10h – Cultura das Bordas

Debatedores: Marco Bin, Valdir Baptista e Bernadette Lira

Mediação: Lucio Agra

 

12h – Sessão de autógrafos

  • Décio Pignatari, vida em noosfera (Educ, 2017)

Lucio Agra

Lucio Angra

Lucio Agra

  • A paixão inútil (Patuá, 2019)

Marco Antonio Bin

 

14h – Histórias tradicionais: diálogos com a ancestralidade brasileira

Oficina com Daniel D’Andrea

 

16h – Armadilhas da memória

Debatedores: Irene Machado, Caroline Paschoal Sotilo e Inês Amarante

Mediação: Monica Rebecca Ferrari Nunes

 

18h – Sessão de autógrafos

Cosplay, Steampunk e Medievalismo: memória e consumo nas teatralidades juvenis (Sulina, 2017)

Mônica Rebecca Ferrari Nunes (org.)

 

19h – Escrita literária, escrita acadêmica – proximidades e distâncias

Debatedores: Vicky Weischtordt, Edmilson Felipe da Silva e Jorge Claudio Ribeiro

 

20h – Sessão de autógrafos

  • Ela me tira pra dançar (Patuá, 2018)

Jorge Claudio Ribeiro

  • O cio da salamandra não seduz camaleões (Penaluz, 2018)

Edmilson Felipe da Silva

 

20h30 – Audição para Jerusa

Com Antonio Nóbrega

Debatedores: Adriano Messias e Gustavo Rick Amaral

Mediação: José Luiz Goldfarb

Antonio Nóbrega: audição para Jerusa

Antonio Nóbrega: audição para Jerusa

 

Dia 6 de novembro, quarta-feira

 

10h – Antropoceno: o fim da civilização? Uma visão semiótico -psicanalítica

 

12h – Sessão de autógrafos

  • Oir o rio (Sowilo, 2019)
  • Pomo da discórdia – a história da Guerra de Troia (Sowilo, 2019)
  • Diário da escola de assombrações (Sowilo, 2019)
  • Comunicação e Antropoceno: os desafios do humano (Educ, 2019)

Adriano Messias

 

 

14h – Oficina – Microconto, com Edith Chacon

 

 

16h – SLAM: Voz de Levante

Exibição do documentário, seguido de debate.

Roberta Estrela D’Alva e Tatiana Lohmann (diretoras) e o poeta Lucas Afonso

O documentar venceu o prêmio especial do júri e prêmio de Melhor Direção de Documentário no 19º Festival Internacional do Rio (2017) e de Melhor Filme no FIM – Festival Internacional de Mulheres no Cinema (2018). O filme aborda a chegada no Brasil dos poetry slams, batalhas performáticas de poesia falada que se alastraram por todo o País com enorme impacto no público jovem e periférico.

 

18h – Lançamento da seleta de poemas

#poesianapuc

Leitura de poemas “Sete Cromos para Breves”, de Jerusa Pires Ferreira.

com Lucio Agra

*

Grupo Riverão, formado por três poetas, Diego Diasa, Gabriel Kerhart e Walter Vetor – que declamarão poesias.

*

Benito Campos e Esther Proença Soares

 

20h30 – Encerramento: Apresentação musical de piano

Javier Clavere

Javier Clavere

com Javier Clavere (Estados Unidos), evento conjunto com o 19º Encontro Internacional sobre Pragmatismo.

 

 

Durante toda a FliPUC haverá a Videoinstalação “Jerusa: a Senhora Barroca”, com direção de Elisabete Alfred.

 

 

 

Sobre Jerusa Pires Ferreira, homenageada pela 3ª. FliPUC

Jerusa de Carvalho Pires Ferreira (Feira de Santana, 1 de fevereiro de 1938 – Salvador, 21 de abril de 2019) foi ensaísta, professora de literatura e de comunicação social e poeta. Ainda na Bahia, iniciou sua carreira. Foi pela UFBA que se graduou em Letras e se tornou mestre em História Social. Já em São Paulo, na década de 80 fez doutorado em Sociologia pela USP, onde tornou-se professora e livre-docente em Comunicação Social. Em 1993, recebeu o Prêmio Jabuti de Literatura.

Como ensaísta e tradutora, Jerusa Pires Ferreira foi colaboradora da “Folha de S. Paulo” e da “Revista da USP”. Além disso, contribuiu regularmente para coletâneas de livros e revistas nacionais e internacionais. As suas pesquisas e trabalhos abrangem importantes campos de investigação nas áreas da Literatura, Comunicação e Artes, como memória, oralidade, conto popular, novela de cavalaria, cultura midiática, conto popular e literatura de cordel.

Ao longo de sua brilhante trajetória, contam 20 livros e cerca de 280 artigos publicados. Entre os mais conhecidos estão “Armadilhas da Memória”, “Cavalaria em Cordel: o passo das Águas Mortas”, “O livro de São Cipriano” e “Matrizes Impressas do Oral”.

Jerusa foi uma das principais divulgadoras no Brasil e Canadá, da obra de Paul Zumthor, medievalista suíço-canadense. Coordenou no Brasil um projeto tradutório, que conta com os livros “’A Letra e a Voz’”, “’Escritura e Nomadismo’” e “’Performance, Recepção e Leitura’”, além de uma coletânea em sua homenagem, denominada “Oralidade em Tempo e Espaço”, resultado de um colóquio que organizou na PUC-SP.

Também coordenou a coleção “Editando o Editor”, da Editora da USP (EDUSP), que aborda o trabalho de editores como, Jorge Zahar, Jacó Guinsburg e Ênio Silveira.   Conferencista eminente, Jerusa foi convidada em diversas universidades estrangeiras como a Universidade Brown, Universidade Autônoma da Barcelona, Universidade de Moscou, Universidade de Calgary e Universidade de Brown.

Desde 1999, Jerusa ministrava regularmente cursos na Universidade de Limoges, na Franca. Por doze anos coordenou o Centro de Estudos da Oralidade na PUC-SP, onde organizou mais de dez colóquios e seminários internacionais. Seus últimos trabalhos foram ensinando na Escola de Comunicação e Artes (ECA) da USP e no Programa de Pós-graduação em Comunicação e Semiótica da PUC-SP.

Intelectual de notável cultura e sensibilidade, Jerusa estará presente nos três dias da FliPUC, por meio da reverberação de suas pesquisas, compartilhadas com sabedoria com amigos, colegas de trabalho, orientando e alunos. São esses que nos brindarão com palestras em que serão discutidos os temas tão caros à grande mestre. Além disso, poesia, performance e música abrilhantarão nossa festa, trazendo também um pouco de toda a sensibilidade dessa poeta cuja força de vida, como lembra a curadora Lucia Santaella, brotava “com o mesmo ímpeto e verdade com que a primavera brota depois do inverno”.

Faleceu este ano em um Domingo de Páscoa, dia 21 de abril de 2019, após enfrentar a batalha contra o câncer. Foi casada com o professor, tradutor e escritor Boris Schnaiderman, falecido em 2016.

         

Curta e compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS