Giro de Notícias

Tabagismo mata mais de 200 mil pessoas por ano no Brasil

0Shares

Consumo entre os homens está em declínio,  enquanto entre as mulheres cresce de maneira assustadora

 

De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), o tabaco é responsável por cerca de 5 milhões de mortes anualmente no mundo. Cerca de 200 mil delas no Brasil. Para se ter uma ideia, é 2,5 vezes o número de mortos da sangrenta guerra civil na Síria. O tabagismo ativo é a primeira causa de morte evitável no mundo. O fumo passivo ocupa o terceiro lugar. As mulheres são as principais vítimas. Segundo dados do Inca (Instituto Nacional de Câncer), elas representam 60% das mortes por tabagismo passivo no Brasil.

Segundo a pneumologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos,  Tania Pereira Ignacio, as substâncias presentes nos derivados do tabaco são diretamente responsáveis por aproximadamente 50 doença, como enfisema pulmonar, problemas cardiovasculares e inúmeros tipos de câncer. São mais de 4.700 componentes tóxicos, como o monóxido de carbono (mesmo gás venenoso que sai do escapamento de automóveis) e a nicotina (droga psicoativa responsável pela dependência física), que também causam infertilidade, halitose e envelhecimento precoce da pele.

Em gestantes, o fumo é responsável por abortos múltiplos e episódios de hemorragia, além de problemas na placenta e nascimentos prematuros. O cigarro ainda está relacionado a uma taxa elevada de morte fetal e de recém-nascidos.

Definido como a inalação de fumaça de derivados do tabaco por indivíduos não fumantes, que convivem com fumantes em ambientes fechados, o tabagismo passivo pode ter as mesmas consequências do fumo ativo. Fumantes passivos têm um risco 30% maior de desenvolverem câncer de pulmão e 24% maior de episódios de infarto do coração. Crianças que convivem diretamente com fumantes têm em maior frequência doenças respiratórias como asma, bronquite, rinite alérgica e pneumonias. Em bebês, o fumo passivo ainda eleva o risco de morte súbita. “Fumantes passivos também sofrem os efeitos imediatos da chamada poluição tabagística, entre eles irritação nos olhos, cefaleia e aumento de problemas alérgicos, principalmente das vias respiratórias”, afirma a especialista.

O consumo de derivados de tabaco por adolescentes é outra questão preocupante. Estatísticas do Inca revelam que 90% dos fumantes começam antes dos 19 anos. Um dado ainda mais terrível: um terço deles fuma pela primeira vez antes dos 12 anos. Uma das principais consequências do tabagismo precoce é o aumento na taxa de dependência química. Pessoas que fumam na adolescência ficam viciadas mais rapidamente e têm mais dificuldade em largar o hábito. O cigarro ainda é o derivado de tabaco mais popular entre adolescentes e adultos jovens. No entanto, o narguilé, fumo de origem oriental tradicionalmente consumido em grupos, tem ganhado espaço. O produto tem uma concentração elevadíssima de substâncias tóxicas sendo que uma única rodada de fumo equivale ao consumo de 100 cigarros.

O tabagismo também afeta vários relacionamentos afetivos. Segundo Airton Gontow, diretor do site Coroa Metade, a percepção do mal que o cigarro provoca a quem convive no mesmo ambiente tem tornado cada vez mais o item fumante um limitador de relacionamentos no site. “Claro que ainda existem os fumantes e as pessoas que não se importam em conviver com quem fuma, mas mais de 70% dos não fumantes colocam em seus perfis que não querem namorar ou casar com alguém que fuma”, afirma.

 

Sobre o Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos

Localizado ao lado do Parque do Ibirapuera, em São Paulo, o Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos atua em mais de 50 especialidades e conta com cerca de 780 médicos. Nele são realizados, anualmente, aproximadamente 12 mil procedimentos cirúrgicos, 13 mil internações, 205 mil consultas ambulatoriais, 140 mil atendimentos de Pronto-Socorro e 1,3 milhão de exames. Dentre os selos e certificações obtidos pela instituição, destaca-se a Acreditação Hospitalar Nível 3 – Excelência em Gestão, concedida pela Organização Nacional de Acreditação (ONA) e o Prêmio 100 Melhores Empresas para Trabalhar Brasil, conquistado pelo segundo ano consecutivo.

 

Últimos posts por Redacao (exibir todos)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *